Transferência para novo blog

lisipo

 

Este Courelas é formalmente um blog colectivo mas o bloguismo parece hoje ser algo anacrónico e a colectividade foi esmorecendo. Como a mim a blogomania (ou blogotite?) ainda não passou abri um novo blog, no qual estou (literalmente) sozinho. É este O Flávio … (basta clicar no título para a ele aceder).

Quem tiver a paciência para me lá ir aturar será muito bem-vindo.

Anúncios

A ler

estante

 

Blogs e Sócrates

socrates

 

Quem escreve(u) em blogs, quem os lê, lembra-se bem das polémicas sobre o bloguismo político anónimo, lembra-se do nojo que era o blog Câmara Corporativa, do rasteiro seguidismo ao governo de Sócrates. Eu lembro-me do jornalista internético “nada socrático”, “nada socialista”, todo ele em pose muito autónoma, e das gentes do Jugular a defenderem aquele lixo, sufragando o indivíduo, negando que fosse um colectivo (e realmente não era) como tantos pensávamos que fosse, tamanho o frenesim blogal que tinha. E que fosse de gente ligado ao poder como parecia ser, tamanha a parafernália de informação política que ostentava. Todos muito dignos, encenavam-se. Um lixo de gente, um bordel literalmente falando. E a alguns um tipo até conhece pessoalmente.

A esses bloguistas de então fui agora espreitar-lhes os murais de FB. Sobre isto nada dizem, assobiando para o lado. Mas sem dúvida que resmungarão que é falsidade de pasquim … Mas os pasquins fazem-nos eles, a sua vida é isso.

Nos blogs

188171-stanley-kubrick

(Stanley Kubrick, Portugal 1948)

  1. Stanley Kubrick como fotógrafo em Portugal em 1948, no Citizen Grave. A que junto a ligação a um artigo sobre Kubrick fotógrafo no Libération (quem não lê francês vê as fotos).
  2. Dois textos fundamentais para perceber a actualidade: a evidência da proximidade de um novo resgate financeiro em Portugal, que se adivinha para além da demagogia do sistema político; e causas da crise na União Europeia, lembrando o tonto orgulho onomástico dos políticos portugueses no “tratado de Lisboa”, ambos de Luís Menezes Leitão no Delito de Opinião.
  3. Crónica de Maputo, no Domadora de Camaleões.
  4. Um livro sobre a história dos eléctricos em Lisboa, recenseado no Imagens com Texto.
  5. Sobre as causas da “crise” em Portugal falou António Barreto, no Jacarandá.

 

Humores na internet

Um amigo deu-me agora a conhecer o Jovem Conservador de Direita, uma página de humor político no FB, existente desde 2015, e com evidente sucesso – tem dezenas de milhares de seguidores e imenso laiquismo (mas só 60 das minhas ligações, deve haver um bisturi sociológico qualquer) . Li um naco de postais. Tem alguma piada, mas não tanta.

De facto, e apesar de muitos dos comentadores lhe saudarem a “ironia”, ela inexiste. Pois o tom é sarcástico, uma pantomina do discurso da direita mas em registo demasiado, pelo que não vem muito eficiente, nada ilumina, apenas faz constatar as opiniões aos já concordantes. Mas não quero exagerar na crítica, aquilo tem alguma piada, ainda que um em tom um bocado morno. Convenha-se, o humor é muito difícil. O incrível é a quantidade de comentários de leitores que não percebem o sarcasmo, tão evidente, ali insurgindo-se contra o que julgam ser um verdadeiro discurso de direita (o que demonstra bem o quanto de iletrado irreflectido tem o “indignismo”). 

Continue reading “Humores na internet”